> CULTURA POPULAR > ESPETÁCULOS

Mais > CULTURA POPULAR > ESPETÁCULOS

BORDADO COM BIANCA BORGES

Neste vídeo, a educadora Bianca Borges, do Museu Felícia Leirner, faz um bordado de araucária, vista do mirante do museu. A atividade faz parte do Projeto Pôr do Sol — Talentos Fragmentados, uma iniciativa do MFL. Formada em Pedagogia, a educadora trabalha há 6 anos no Museu Felícia Leirner. O bordado surgiu em sua vida…

ARTE COM RECICLÁVEL, COM DEMA LARISSA E LUCIANA BRAGA

Para mostrar que tudo pode ser reaproveitado, a oficina “Arte com Reciclável” busca transformar resíduos em obras de arte. O conceito, portanto, vai além da reciclagem convencional de materiais, pois visa à criação de objetos que superam o valor econômico, cultural e social do produto original. Em sua décima primeira edição, o FLIV — Festival…

BONECA ABAYOMI EM FELTRO, COM CRISTINA NAOKO E ROSICLER DOURADO

As bonecas Abayomi ficaram conhecidas como símbolo de resistência. Sem costura alguma (apenas nós ou tranças), as bonecas não possuem demarcação de olho, nariz ou boca, a fim de favorecer o reconhecimento das múltiplas etnias africanas. Em sua décima primeira edição, O FLIV — Festival Literário de Votuporanga é um dos maiores eventos multiculturais do…

CAUSOS E LENDAS CAIÇARAS DE CARAGUATATUBA

A Virada SP de Caraguatatuba apresenta uma contação de histórias com a dupla de atores Rita Brugnerotti e Angelo Pereira, também conhecidos como o casal Nhá Rita e Leco Borba, personagens de Caraguatatuba que, há 15 anos, contam causos e lendas caiçaras. 

LUAR DO SERTÃO — SOB A LUZ DO LUAR

Tendo como base a obra “Geni e o Zepelim”, de Chico Buarque, a quadrilha Luar do Sertão conta a história de Maria. Uma cidade chamada Brejo da Cruz renegava Maria por ser filha de “quengas”, mas tudo mudou quando ela foi a única solução encontrada para salvar a cidade do ataque de Lampião e seu…

LUAR DO SERTÃO — A FÉ QUE NOS UNE É A FÉ QUE NOS MOVE

Tendo como base a obra “Morte e Vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto, a quadrilha Luar do Sertão conta a história de Maria e Severino, que, após perderem um filho por causa da seca, acreditam na Fé e se apegam aos santos de romaria Padre Cícero, Frei Damião e Nossa Senhora Aparecida, padroeiros…

MOLEKA 100 VERGONHA (2018) — O VOTO

Em 2018, a quadrilha Moleka trouxe uma reflexão acerca da palavra “voto”. O grupo explora inúmeros sentidos dessa importante ferramenta e, de forma descontraída, fala sobre o voto de castidade, o voto matrimonial, o voto de confiança e, principalmente, o voto político, o voto de cabresto, trazendo para os arraiais a temática da conscientização democrática…

MOLEKA 100 VERGONHA (2014) — SOL E CHUVA, CASAMENTO DE VIÚVA

Em 2014, o tema da quadrilha foi o dito popular “Sol e chuva, casamento de viúva”. A quadrilha Moleka brincou com o tema e dividiu a formação em duas cores: amarelo, representando o sol, e azul, representando a chuva. O desenrolar das histórias e toda a cuidadosa produção, desde a escolha do tom do figurino…

ARROCHA O NÓ EM “AUTO DO BOI NOSSO”

A quadrilha “Arrocha o Nó” foi fundada por Maria de Lurdes Teixeira Lima, no Paranoá, Distrito Federal. Campeã nacional de 2017, o grupo tem grande relevância no cenário nacional de quadrilhas juninas. A narrativa do “Auto do Boi Nosso”, obra criada por Willy Costa, foi baseada em um dos folguedos populares mais conhecidos e celebrados…

ARROCHA O NÓ EM “AUTO DO BOI NOSSO”

A quadrilha “Arrocha o Nó” foi fundada por Maria de Lurdes Teixeira Lima, no Paranoá, Distrito Federal. Campeã nacional de 2017, o grupo tem grande relevância no cenário nacional de quadrilhas juninas. A narrativa do “Auto do Boi Nosso”, obra criada por Willy Costa, foi baseada em um dos folguedos populares mais conhecidos e celebrados…

FIQUE POR DENTRO DO NOSSO CONTEÚDO, CADASTRE-SE E RECEBA AS NOVIDADES POR E-MAIL:

Nós utilizamos cookies para analisar e melhorar sua experiência de navegação e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao navegar pelo site, você concorda com este monitoramento e o uso de cookies. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.

Skip to content