SÓ O MELHOR PARA O NOSSO FILHO KEES (ONLY THE BEST FOR OUR SON)

SÓ O MELHOR PARA
O NOSSO FILHO KEES
(ONLY THE BEST FOR
OUR SON)

 84min – 2014 – Documentário | Idioma: NE

ESTREIA 12 DE SETEMBRO ÀS 19H

DISPONÍVEL ON DEMAND ATÉ 18 DE SETEMBRO

SENHA: #CULTURAEMCASA

PAÍSES BAIXOS

SINOPSE

Kees, de 49 anos, é autista e ainda vive com seus pais. O amor dos dois fez com que Kees conseguisse se tornar um adulto relativamente independente. Mas o que vai acontecer com Kees quando seus pais, agora com 80 e 83 anos, não puderem mais cuidar dele? A cineasta Monique Nolte segue as tentativas dos pais de Kees de criarem um futuro perfeito para seu filho autista.

FICHA TÉCNICA

Produção: Selfmade Films , NCRV – Países Baixos
Direção: Monique Nolte

  1. […] SÓ O MELHOR PARA O NOSSO FILHO KESS […]

  2. Séeeeeeeeeeeeeeeeerio? outra vez!!!!!!!!!!!!!!
    A parte técnica e a curadoria da mostra precisam de capacitação urgente!
    Quanto amadorismo!

  3. Só eu que não estou conseguindo acessar?

  4. Eu também não.

  5. também não estou conseguindo acessar

  6. Pede a senha e nada acontece. Cansei

  7. Estou com o mesmo problema de vocês desde ontem!

  8. Apesar de ter digitado a senha várias vezes, não consegui que o filme entrasse.

  9. O problema não seu, nem meu, é da organização da Mostra!
    Sequer eles leem os comentários… e se leem, ignoram!

  10. Ontem aconteceu a mesma coisa…
    fica pedindo a senha

    1. Esta senha: #CULTURAEMCASA

  11. mesmo problema de ontem. Depois de logar pedem senha de novo, vcoloco senha peço opara wentrar e apaga senha, não entra NO FILME. pOR FAVOR SE ALGUME CONSEGUIU ACESSAR FINEZA AVISAR.

  12. Gente, é só colocar a senha #CULTURAEMCASA. Fiz isso ontem e fiz isso hoje.

    1. Obrigada por decifrar e esclarecer que a regra mudou no meio do jogo.
      Vou assistir ao doc., então.

  13. Sofri até descobrir que a senha #CULTURAEMCASA tem que ser com maiúsculas!
    Ô mostra. Prá quê isso? Não deveria ter alguém a postos para resolver problemas desse tipo?

  14. Vencido o problema da senha, que não consigo imaginar que utilidade tenha além de dificultar/impossibilitar o acesso, valeu a pena.
    Delicadeza e honestidade para tratar de um tema, no mínimo, delicado.

  15. Muito triste, mas real…
    Uma visão honesta da vida, que nos faz pensar sobre o propósito de nossa existência.
    A senha está escrita acima do “assistir agora”

    1. Engraçado.
      Não achei tão triste. O tema é apresentado de forma tão natural e direta que não se fica o tempo todo alerta para evitar que se manifestem os preconceitos que, queiramos ou não, ainda temos e tentamos esconder. Entendo magnífica a discussão, que se deu tão à vontade, sobre a eutanásia. Outro assunto que nossa cultura judaico-cristã tenta evitar a todo custo. E, atenção, tudo se passa em uma sociedade muito mais avançada que a nossa. Arrepia-me transportar o problema colocado pelo filme para estes nossos já não tão verdes trópicos. Aí, sim. Seria um filme de terror.

      1. Como mãe, sinto a tristeza da incerteza de como ficará um filho tão dependente…

        1. Acabei de ver “Dafne”. Mais ou menos nessa linha, seguindo no sentido absolutamente oposto. A moeda realmente tem dois lados. Este mais ligado à realidade de futuro nebuloso, incerto. Ao final permanece na gente uma preocupação, reflexo da responsabilidade que também é nossa. Em “Dafne”, surpreendemo-nos tomados por uma leveza, coroada no final pela beleza de uma percepção inesperada, que surpreende pela banalidade de um fato que na vida real nos escapou.

  16. Ótimo documentário. Tenho Asperger, que é uma forma bem leve do autismo, e me identifiquei muito com o homem em torno do qual o documentário gira. O documentário mostra as manias, o senso aguçado de estética, a obsessão pelo planejamento e a aversão a barulhos típicos dos autistas, além de mostrar um dilema sobre o qual pouco se fala, que é o que os pais devem fazer com filhos autistas quando ficam velhos.

  17. Não estou conseguindo encontrar s flimes que aparecem na programação como disponíveis até o fim de setembro. Ex: Mamaliga Blues; Hindi Medium; Guarani; Vizir, e outros…
    Alguém sabe coo acessar??

    1. Você já clicou nas bandeirinhas dos países? É por ali que se chega aos filmes.

  18. SÓ O MELHOR PARA O NOSSO FILHO KEES expõe uma questão incômoda e universal. Obviamente a realidade da Holanda é diferente da de nosso país, mas a preocupação que acomete quem tem filho autista é comum. O filme trata o tema com delicadeza embora pareça “posadinho” demais para a câmera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *