Suspensa devido à pandemia, mostra Ressetar, do Museu da Diversidade Sexual, retoma em versão online com obras em 3D e recurso de acessibilidade.

Doze artistas expõem obras que representam a retomada da vida após situações traumáticas como as vividas pela população LGBTQIA+

Com curadoria de Duilio Ferronato, a exposição Ressetar estreou em fevereiro do ano passado, no Museu da Diversidade Sexual (MDS), instituição vinculada à Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo  e gerido pela Amigxs da Arte, mas teve a temporada suspensa devido à pandemia da coronavírus. A partir do dia 12 de março, sexta-feira, a exposição será retomada de modo totalmente online, com acesso pelo site www.mds.com.br. No portal, as obras serão exibidas em 3D, possibilitando que o público veja as peças em 360º. Também há a possibilidade de ativar o recurso de audiodescrição, disponível para todas as obras.

A mostra conta com obras de doze artistas e foram criadas a partir de uma provocação do curador sobre a retomada da vida após situações de trauma e desmoronamentos. “A exposição apresenta narrativas de reconstrução. São registros de perdas, medos, discriminação e violência. Situações, que muitas vezes, fazem parte do cotidiano da população LGBTQIA+, mas as obras também podem ser compreendidas como arquétipos de superação”, diz Danielle Barreto Nigromonte, diretora executiva da Amigxs da Arte, instituição responsável pelo gerenciamento do MDS. 

As obras foram compostas a partir de diversas técnicas: A colagem está representada por André Felipe; pintura por Andrey Rossi, Gabriel Almeida, e Yan Copelli; instalação por Gabriel Torggler; escultura por Élle de Bernardini, Julio Dojcsar, Ramo Negro e Roberta Fortunado; colagem com desenho por Irene Guerriero e escultura de parede por Silvana Marcondes. 

“Muitos artistas que estão expondo já criam a partir desse tema, que pode ser avaliado de diversas formas: tombos econômicos, separação, expulsão de casa e problemas familiares. Essas obras são um aviso de que há vida após isso”, argumenta Duilio Ferronato. Um dos exemplos destacados pelo curador é o da artista Silvana Marcondes, que autora de uma escultura inspirada pelas plantas que nascem nas rachaduras do asfalto.

Todos artistas são relacionados de diversas maneiras à causa LGBTQIA+ e estão projetados no cenário da arte brasileira e internacional. A palavra Ressetar, que intitula a mostra, sintetiza a postura de combate dos artistas frente à situações desfavoráveis, muitas delas gerada pelo preconceito e pela desigualdade social.

FIQUE POR DENTRO DO NOSSO CONTEÚDO, CADASTRE-SE E RECEBA AS NOVIDADES POR E-MAIL:

Nós utilizamos cookies para analisar e melhorar sua experiência de navegação e recomendar conteúdos de seu interesse. Ao navegar pelo site, você concorda com este monitoramento e o uso de cookies. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.

Skip to content